Get Adobe Flash player

Casa Dom Bosco

O que é a casa Dom Bosco?

Uma instituição autônoma sem vinculo governamental fundada em 19 de outubro de 1992, na cidade de Maceió. Continuando o trabalho do pai e mestre da juventude, Dom Bosco, priorizando o atendimento das crianças e adolescentes vítimas da dependência química.

Para que existe?

Acolher adolescentes e jovens de 13 a 18 anos sem vinculo com a família ou em conflito com a família provocado pela dependência química.

Proporcionar formação humana e cristã

Despertar a consciência crítica, encaminhar para o mundo o trabalho e para o exercício da cidadania.

 

O que a entidade oferece?

Abrigo com 60 camas

Três refeições diárias (café, almoço e jantar)

Recreação (passeios, jogos de mesa, futebol, natação)

Formação religiosa (orações, partilha da palavra, catequese, missa, terço diário, confissões)

Formação cultural (teatro, banda de musica, artesanato)

Formação profissional (panificação, informática, além de cursos)

Formação intelectual (mantemos uma escola somente para os alunos internos)

Inserção e acompanhamento no mercado de trabalho

Farmácia e atendimento odontológico

 

Encaminhar o adolescente a família de origem é o objetivo da Casa Dom Bosco. Nos casos em que isso não é possível, a curto prazo os adolescentes podem ficar na casa, aqui eles são motivados a construir sua própria moradia, como já aconteceu com vários menores de nossa instituição. 1622 meninos já foram devolvidos a família, baseado no sistema educativo de Dom Bosco. O sistema preventivo apoia-se em três das principais necessidades básicas do ser humano; Razão, Amor e Religião.

 

Casa Dom Bosco

 

Um Sonho

 

Deus ilumina de modo extraordinário as pessoas destinadas à missão especial. Pois bem, aos 09 anos, Joãozinho Bosco teve um sonho misterioso.

“Dormindo, pareceu-me estar perto de casa, num terreiro espaçoso onde estava reunida uma multidão de meninos. Alguns riam, alguns brincavam; muitos blasfemavam…”

Blasfemar é coisa muito feia: é xingar Deus ou os santos. Era costume da gente daqueles tempos.

Ele continua:

“atirei-me no meio deles, e com gritos e socos, tentava acabar com as blasfêmias e os palavrões”.

Dom Bosco não era brincadeira! Vamos adiante.

“Naquele instante apareceu um Homem respeitável, muito bem vestido.

Um manto lhe cobria o corpo todo; tinha um rosto tão luminoso que eu nem podia fixá-lo.

Aí ele me chamou pelo nome e me mandou chefiar aquela turma, e disse:

-“Não com pancadas, mas com mansidão você deve conquistar esses seus amigos”.

Foi uma boa lição, não foi? Foi ótima. E o homem disse mais:

-“ Comece então a ensinar para eles como o pecado é feio e como é preciosa a virtude.”

Confuso e com medo, respondi que eu não passava de um menino pobre e ignorante, incapaz de falar de religião àquela criançada.

Nesse momento, acabando a briga, a gritaria e as blasfêmias, o pessoal todo se reuniu ao redor do Homem que estava falando. Então eu (conta Dom Bosco), quase sem saber o que estava dizendo, perguntei:

“- Quem é o Senhor, que está me mandando fazer uma coisa impossível?”

Afinal, o Homem disse quem era: Deu uma dica nesta resposta:

“- Eu sou o Filho d’Aquela que sua mãe lhe ensinou a saudar três vezes ao dia.”

 

Um lugar para os meninos

 

Aos 03 de Novembro de 1846, Dom Bosco e Mamãe Margarida se estabeleceram nos três cômodos da casa Pinardi, junto da capela: é a célula fundamental da obra salesiana.

- Mas falta tudo!- lamenta Mamãe Margarida.

Precisamente na tarde daquele dia, Dom Bosco e Mamãe Margarida encontram o Padre Vola, seu amigo. Perguntando-lhe o padre, se dispunha do necessário para mobiliar a “casa”, Dom Bosco responde com graça:

- A Divina Providência nos há de ajudar.

Padre Vola, comovido, lhe entrega o relógio.

-Venda isso e providencie o necessário.

Dom Bosco agradece efusivamente, volta-se para à mãe e lhe diz: – Está vendo? É uma prova de que a Divina Providência sempre nos vai ajudar.

E o número de meninos aumentando. E aumenta em Dom Bosco a preocupação da assistência deles. Abre aulas noturnas, arranja empregos, começa a alojar em casa os mais necessitados… Tudo com as maiores dificuldades e contradições.

Em 1847 são uns oitocentos alunos nos dias festivos

Já é preciso abrir um Oratório novo. Em 08 de Dezembro, no bairro de Porta Nouva, é benzido o Oratório de São Luis.

A 20 de Junho de 1852, Dom Bosco tem a alegria de ver consagrada a igreja de São Francisco de Sales, levantada com enormes sacrifícios, mas com a amorosa presença da Província. Foi nessa igreja que, por dezesseis anos (junho de 1852 a junho de 1868), pulsou o coração da obra de Dom Bosco. Nela tantas vezes rezou o menino Sávio, hoje São Domingos Sávio.

Nela, conversaram com Nosso Senhor e Nossa Senhora outros santinhos do Oratório: Miguel Magone, o moleque de Carmagnolia, e Francisco Besucco, o garoto de Argentera.

- Não sei!

Em 31 de Janeiro desse mesmo ano (1886), estava um grupo de meninos no escritório de Dom Bosco. Tinha umas nozes. Começa a distribuí-las. Tito Tomasetti e João Frachini seguram a sacola. Todos recebem, e desta vez a sacola fica vazia. E é pena, porque um dos auxiliadores fora esquecido. Dom Bosco, procurando no fundo, consola:

- Olhe, ainda sobrou uma. E, sorrindo, dá-lhe um punhado, dizendo:

- Guarde-as, são preciosas!

E sabem de uma coisa? Os atrasados também receberam.

 

Domingos Sávio

 

O encontro com Dom Bosco foi nos Becchi, no dia 12 de Outubro de 1854, em frente à casa de seu irmão José. Pai e filho se aproximam.

- Quem é você? – pergunta Dom Bosco.

- Sou Domingos Sávio, de quem já lhe falou o padre Cugliero, de Mondonio.

Dom Bosco então chama o menino à parte e conversa com ele. Os dois se entendem perfeitamente.

Percebi naquele menino – escreveu depois – uma alma inteiramente a serviço do Senhor e fiquei maravilhado ao considerar o trabalho que a graça Divina tinha operado nele.

E Dom Bosco registra o diálogo:

- É… Você me parece um pano bom.

- E esse pano para que pode servir?

- Para fazer uma roupa bonita e dar de presente a Nosso Senhor.

Na conversa, Domingos manifestou o desejo de ser padre.

Dom Bosco quis fazer um teste. Tomou um volume das suas Leituras católicas, indicou uma página e a pediu de cor para o dia seguinte. E deu liberdade para o garoto ir brincar. Daí a oito minutos, ele está de volta. Oito minutos!

- Se o senhor quiser, dou a página agora mesmo.

Espantado, Dom Bosco verifica: o garoto sabe de cor e entende o sentido de tudo.

Domingos entra no Oratório. No dia 24 de junho, onomástico de Dom Bosco, escreveu-lhe um bilhetinho: “Ajuda-me a me santificar”. Morreu no dia 09 de Março de 1857. Tinha 15 anos incompletos.

O Papa Pio XII o declarou santo em 12 de junho de 1954.

Vejam os propósitos que Domingos Sávio fez, aos 07 anos, no dia de sua Primeira Comunhão:

 

1º -             Confessar-me-ei frequentemente e farei a santa Comunhão sempre que o confessor me permitir;

2º -             Santificarei os Domingos;

3º -             Os meus amigos serão Jesus e Maria;

4º -             Antes morrer de que pecar.

 

No dia 25 de Novembro de 1856, Dom Bosco e o Oratório perdem Mamãe Margarida, veneranda mulher heróica. Dom Bosco aprendeu dela seu sistema educativo. Por primeiro ele foi educado com razão, religião e carinho. A Congregação Salesiana se embalou em seus joelhos.

 

 

PROJETO DE DOM BOSCO

 

De pequeno órfão a Pai e Mestre de adolescentes e jovens. Esta é a vida de Dom Bosco, um dos maiores santos do século 19. A Família Salesiana, continuadora do seu carisma, se expandiu por todo o mundo e hoje se encontra presente em mais de 120 países. Acompanhemos, passo a passo, as datas mais significativas dessa história maravilhosa.

 

No inicio, um sonho.

 

1815 – (16 de Agosto) João Melchior Bosco nasce nos Becchi, norte da Itália.

1817 – Com apenas 02 anos de idade perde o pai.

1825 – Vê sua missão prefigurada em um “sonho”.

1826 – Faz a Primeira comunhão.

1835 – Entra no seminário.

1837 – (09 de Maio) Nasce em Mornese Maria Domingos Mazzarello, cofundadora das Filhas de Maria Auxiliadora.

1841 – (05 de junho) Dom Bosco é ordenado sacerdote, em Turim.

(08 de Dezembro) inicia uma aula de catequese, seu apostolado juvenil.

1845 – Dom Bosco dá início à escola noturna.

1846 – (12 de Abril) Estabelece-se em Valdocco, futura Casa Mãe, em Turim.

1847 – Abre um segundo Oratório no bairro de Porta Nouva.

1851 – (02 de Fevereiro) Primeiros colaboradores vestem a batina.

1852 – Dom Bosco é reconhecido oficialmente diretor de três oratórios em Turim.

 

O projeto desabrocha

 

1853 – Abre no Oratório as primeiras escolas profissionais, funda a primeira banda musical e lança Leituras Católicas, sua primeira revista popular.

1854 – (26 de Janeiro) Chama os seus auxiliares de “salesianos”.

(02 de Outubro) Encontra Domingos Sávio.

1855 – (25 de Março) Primeiro passo da Congregação Salesiana: o seminarista Miguel Rua faz votos com Dom Bosco.

1856 – (25 de Novembro) Morre Mamãe Margarida Occhiena, mãe de Dom Bosco.

1857 – (09 de março) Morre Domingos Sávio, aos 15 anos.

1858 – Dom Bosco visita o papa, em Roma, pela primeira vez.

1859 – (09 de Dezembro) Comunica a decisão de fundar a Congregação Salesiana.

1860 – (02 de Junho) O primeiro salesiano é ordenado sacerdote, padre Ascânio Sávio.

26 salesianos subscrevem as Constituições salesianas.

Dom Bosco aceita entre os salesianos o primeiro leigo consagrado, coadjutor José Rossi.

1861 – Abre a primeira tipografia.

1862 – (14 de Maio) Os primeiros 22 salesianos fazem a profissão religiosa.

1863 – Dom Bosco abre a primeira obra fora de Turim, em Mirabello Monferrato.

1864 – (23 de julho) A Congregação Salesiana recebe o primeiro reconhecimento da Santa Sé.

(Outubro) Dom Bosco encontra Maria Mazzarello em Mornese.

1868 – (09 de junho) A Basílica de Maria Auxiliadora, em Turim, é solenemente consagrada.

1870 – Nasce em Valdocco a “Sociedade dos antigos alunos do oratório salesiano” que vi dar origem a Associação dos Ex-alunos de Dom Bosco.

1872 – (05 de Agosto) É fundado, em Mornese, o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA).

1874 – A Santa Sé aprova as Constituições salesianas.

 

O projeto se expande para além da Itália

 

1875 – (11 de Novembro) A primeira expedição missionária salesiana parte para a Argentina.

1876 – (09 de Maio) A Santa Sé aprova a Associação dos Cooperadores Salesianos.

1877 – (Agosto) Dom Bosco publica o primeiro número do Boletim Salesiano.

(05 de Dezembro) realiza-se o primeiro Capítulo geral dos salesianos.

As filhas de Maria Auxiliadora abrem a primeira casa fora da Itália, em Nice, França.

(07 de Novembro) Partem da Itália as primeiras seis irmãs salesianas para as missões, com destino ao Uruguai.

1879 – Os missionários salesianos entram em contato com os índios da Patagônia.

1881 – (14 de Maio) Morre Madre Maria Domingas Mazzarello.

1883 – (fevereiro-maio) Dom Bosco visita a França

(14 de julho) tem início, em Niterói, a obra salesiana no Brasil.

João Cagliero é sagrado Bispo.

1884 – Os salesianos fundam a primeira obra em São Paulo, Liceu Coração de Jesus.

1887 – Em Roma, é consagrada a Basílica do Sagrado Coração.

1888 – Dom Bosco morre em 31 de Janeiro, com 72 anos.

 

O fim se aproxima

Aos 14 de maio de 1887, Dom Bosco tem mais uma imensa satisfação: assiste à soleníssima consagração da basílica do Sagrado Coração de Jesus, que a custo de ingredientes sacrifícios, a pedido do Papa Leão XIII, ele erigira em Roma.

Entretanto a fibra do robusto camponês de outrora está cedendo ao peso dos anos e à enorme canseira do trabalho continuado e desmedido. Sua missão foi cumprida heroicamente. Já pode, agora, o Senhor, deixar ir em paz o seu servo.

Prostra-o afinal o cansaço sobre-humano. É o fim.

Acorrem ao seu leito os filhos afetuosos. O Papa Leão XIII envia-lhe a benção apostólica… Naquela manhã de 29 de janeiro, ele faz sua última comunhão.

“Digam aos meus filhos que eu os espero a todos no Paraíso”. É a sua derradeira lembrança aos jovens…

 

Morre um Santo

Na manhã de 31 de Janeiro de 1888, o falecimento do pai. Tinha quase 73 anos.

- Morreu um Santo! – Comenta-se com admiração.

Foi beatificado (declarado bem-aventurado) pelo Papa Pio XI, seu conhecido amigo, no dia 02 de junho de 1929.

Foi canonizado (declarado santo), com solenidades excepcionais, na Páscoa de 1934, no dia 1º de abril, pelo mesmo Papa Pio XI.